1910 - 1919

1910 – 1919

A grande Greve de 1917

Protesto contra a carestia Largo São Francisco, 1913

A crise econômica provocada pela I Guerra Mundial (1914–18) freou as exportações e encareceu as importações, diminuindo a entrada de capital estrangeiro no Brasil. Neste contexto, acontece a Greve Geral de 1917, que paralisou a cidade de São Paulo por oito dias, mobilizando uma quantidade de trabalhadores jamais vista no país.

Em 1919 é promulgada a lei 3.724, de 15 de janeiro, de proteção a acidentados no trabalho. Em 1923, são criadas normas para a instituição das caixas de pensão destinadas aos ferroviários. Nesse contexto, há tentativas de normatizar o trabalho de menores de 18 anos. Até então, sem legislação, vigorava o regulamento de cada fábrica para disciplinar o trabalho. Castigos físicos eram comuns. As principais reivindicações dos trabalhadores eram o aumento de salários, a redução de jornada (trabalhava-se de 12 a 16 horas diárias), o fim da exploração de menores e mulheres, e a melhoria das condições gerais de trabalho.

Crianças trabalhando em linha de produção

Protesto contra a carestia Largo São Francisco, 1913

Operários reunidos em frente a fábrica

Polícia dispersando grevistas – São Paulo, 1917

Enterro do operário José Martinez, 1918

Fábrica de calçados, 1920

*Imagens: Arquivo Edgard Leuenroth, Universidade Estadual de Campinas, Unicamp. Coleção História da Industrialização.

Redes Sociais

      

      

Informações e local

ENDEREÇO
Rua 24 de Maio, 208 - 9º e 13º andares
República - São Paulo - SP